Maltês – A fofura em forma de cachorro

A ilha de Malta, no Mediterrâneo, é tida como o ponto de origem do Maltês – esse cachorro que esbanja fofura e docilidade por onde passa.  Seu surgimento é antigo, datado de 300 a.C pelo menos. 

Compartilhar

Os exemplares da ilha eram levados por marinheiros, responsáveis por distribuir a raça pela Europa e Ásia. Mesmo assim, como a ilha era isolada, os Malteses acabavam se reproduzindo entre si e criando linhagens de características bastante específicas.


Na Inglaterra, tornaram-se os pupilos da alta sociedade, principalmente no século 14. Hoje, sua alta popularidade se deve principalmente a seu tamanho reduzido, sua aparência de eterno filhote e sua doçura.  


Eterno filhote


Sabe aquela carinha fofa que seu cão tinha quando filhote? O tamanho pequeno, o jeito brincalhão e doce... Pois o Maltês é tudo isso durante toda a vida. Por isso, muitos confundem os exemplares adultos com filhotes. O porte reduzido ajuda: geralmente os exemplares possuem entre 1 e 4kg – verdadeiros bibelôs.


E com um tamanho tão reduzido, não há como negar que suas necessidades nutricionais são diferentes. Por isso, a Magnus possui uma linha Super Premium voltada especialmente para cachorros de pequeno porte.


Hoje, o Maltês é reconhecido por sua coloração branca – a única aceita. No seu surgimento, porém, eles nasciam e eram criados em outras tonalidades. Um maltês colorido é, provavelmente, uma mistura de raças. A pelagem deve ser sedosa, brilhante, macia e lisa – podendo ser longa ou ter uma tosa específica. É necessária a escovação a cada um ou dois dias, para evitar nós. Alguns donos optam por shampoos especiais na hora do banho, que ajudam os pelos a manterem-se sempre branquinhos.


Bibelô sim – mas não apenas


Pelo tamanho pequeno e pela carinha de filhote, muitos veem no Maltês apenas um bibelô. Mas além destas características básicas, ele possui um comportamento alegre e brincalhão.


Para seu pouco tamanho, possui uma energia considerável, que faz dele um bom companheiro para pequenas brincadeiras e passeios. É preciso dedicação do dono para que esta energia se transforme em atividades, para que ele não se torne um cão entediado. O Maltês pode fazer muito barulho quando decide latir – e não deixá-lo entediado é o primeiro passo para que ele controle estes instintos e se torne um cão equilibrado e calmo.


Vive bem em apartamento, desde que sua necessidade de atividades seja respeitada. Se dá bem com outros animais, com crianças, adultos e idosos - adaptando sua rotina aos demais integrantes da família. Apesar dessa grande possibilidade de adaptação, não gosta da solidão e pode ficar muito triste quando fica longos períodos sozinho em casa.


Se você pensa em adquirir um Maltês, nada de deixa-lo no quintal. Ele é uma raça que precisa ficar dentro de casa, protegida no aconchego da família. Pretende ter um cachorro que aprende tudo rápido e faz mil truques? Então escolha outra raça. O Maltês prefere brincar a aprender e adestra-lo pode ser um desafio. Começar desde cedo ajuda, mas não garante que ele se tornará um exemplar obediente.


Mas se você quer um companheiro doce, divertido e que está sempre ao seu lado, o Maltês pode ser a raça certa para você. Com um pouco de atenção e brincadeira, ele torna-se um cão muito feliz – e deixa seu dono feliz também!